10 de fev de 2007

Melô do assessor

Encosta sua cabecinha no ombro e chora
E conta logo sua mágoa toda pra mim
Quem chora no meu ombro eu juro
Que não vai embora,
Que não vai embora,
Que não vai embora

Encosta sua cabecinha no ombro e chora
E conta logo suas mágoas todas pra mim
Quem chora no meu ombro eu juro
Que não vai embora,
Que não vai embora,
Que não vai embora

Amor, eu quero o seu carinho Porque ...ai... eu vivo tão sozinho
Não sei se a saudade fica ou se ela vai embora,
Se ela vai embora,
Se ela vai embora

Saudade, palavra triste
Quando se perde um
Grande amor
Na estrada longa da vida eu vou chorando a
Minha dor

Igual a uma borboleta vagando triste por sobre a flor
Irei chamando por onde for
Você nem sequer se lembra
De ouvir a voz deste sofredor
Que implora por seu carinho
Só um pouquinho do seu amor

Meu primeiro amor
Tão cedo acabou, só deixou a dor neste peito meu
Meu primeiro amor
Foi como a flor que desabrochou
E logo morreu

Nesta solidão sem ter alegria
O que me alivia são meus tristes ais
São prantos de dor que dos olhos caem
É porque bem sei: quem eu tanto amei
Não verei jamais

Meu Primeiro Amor
Composição: Paulo Borges /Hermínio Gimenez

Nenhum comentário: