17 de out de 2008

Chegou a hora

A onça vai beber água!

De virada é mais gostoso!

Vira, vira, vira!

Vira, vira, vira!

Vira, vira, vira!

Virou!

Eu quase não agüentava mais esperar, mas valeu a pena, e foi até bem melhor que a encomenda!

Sabia que Beicinho estava estagnado, percebia isso em suas mais recentes tentativas de criar fatos políticos.

Outra indicação era a cara do Beiçola, tensa, de sono, e de irritação. E as tentativas de golpes baixos que desferiu.

Passa a régua!

Oito por cento, com Beicinho estagnado nos votos que teve no primeiro turno, é macuco no imborná.

Mas é mais que 8%, já liguei para um professor de estatística de São Carlos, que coordena um grupo de pesquisas de opinião, e ele me explicou que, se os 12% dos indecisos fossem distribuídos na mesma proporção dos que declararam seus votos, a diferença passaria de 9%.

E disse mais, disse que amanhã o resultado já seria outro, e que a diferença nas urnas poderá passar de 11 ou 12% dos votos válidos, descontados os brancos e nulos do total dos presentes, que deverá ser algo em torno de 82% a 88% do eleitorado.

Ele disse que a pesquisa do Ibope, com 602 entrevistados, é muito confiável, e que a margem de erro pode ser considerada bem menor que a anunciada, de 4%. Exemplificou explicando que se os 4% de margem de erro anunciada fossem atribuídos a Rodrigo, a diferença seria de 16% a mais que Beicinho, e que isso é mais provável que o contrário.

Numa simulação, usando as mesmas porcentagens de abstenções (16%), nulos (8%) e brancos (3%) do primeiro turno, chegaríamos a algo em torno de 178 mil votos válidos, talvez um pouco mais.

Projetando uma diferença de apenas 9%, Rodrigo teria mais de 96 mil votos, enquanto Beicinho teria algo em torno de 82 mil.

Mas o impacto da pesquisa pode ser maior e pode haver até uma migração de votos do primeiro turno do Beicinho para Rodrigo, seria um tipo de eleitor que pegou raiva do Beicinho, que contou vantagem antes da hora e não teve força para fechar a fatura. Se a diferença chegar a 12%, Rodrigo beirará os 100 mil votos, e Beicinho chegará aos 78 mil.

E se a diferença for 14%, Rodrigo caminhará para ser o bauruense mais votado da história, superando Boutros Tobias, aliado de Beicinho.

Ainda corremos o risco de Beicinho repetir aqui o fenômeno Picolé de Chuchu, ou seja, derreter sozinho e conseguir a façanha de ter menos votos no segundo turno do que teve no primeiro.

Se Rodrigo continuar a crescer diariamente à mesma taxa, como vem fazendo há mais de quinze dias, é capaz de Beicinho despencar de vez e até ficar devendo votos, que poderão até ser descontados dele na próxima eleição.

Aliás, foi por isso, por causa desse desconto, que Geraldinho Chuchu perdeu para o Kassab, não foi?

Caso Beicinho desabe de vez, vamos recomendar a ele que venda a Mansão Coube II, mude imediatamente para o Camélias, e lá tente começar a carreira como síndico, pois assim poderá dar uma alegria para a Mamãezona e depois arriscar ser vereador.

Para o Beiçola vamos sugerir que peça a seu cunhado de confiança que lhe dê um emprego com funçõezinhas bem leves, pois as hemorróidas estão judiando do garoto.

Ou então que mude para Campinas com seu parceiro Tunga, pois dizem que a água de lá faz com que as hemorróidas se recolham.

Caso a água não cure, dizem também que há lá um proctologista muito famoso, o Dr. Dedão, que pode resolver o problema rapidamente, com um simples empurrãzinho.

Nenhum comentário: