8 de dez de 2006

Molhar a mão

Engraxar, molhar a mão, subornar, são palavras que usualmente usamos para dizer que compramos uma dedicação especial de um funcionário público, sempre para auferir lucro ou vantagem.

Para relatar uma situação inversa, ou seja, um funcionário público que compra um servicinho extra de um jornal, por exemplo, que paga a um jornal para dar destaque a sua atuação, quais palavras usaríamos?

É também uma espécie de corrupção, não é? Talvez seja até tão comum quanto a outra. Não é a mesma coisa que está fazendo um político quando contrata algum parente de um adversário em troca do silêncio do último? Ou contrata a "consultoria" de um jornalista que continua na ativa em outro emprego num meio de comunicação?

Do ponto de vista moral é tudo a mesma coisa, do ponto de vista legal, para uma maior precisão, tais atitudes devem ter nomes diferentes, mas nunca soube de alguém que foi punido por tais atitudes, até por que nunca tinha sabido de algum jornalista que tenha dado com as línguas nos dentes e tenha sido gravado e filmado.

Só em Bauru mesmo!

Um comentário:

Luis Gustavo disse...

Quem deve saber bem desse tipo de coisa é um ex prefeito de Bauru que até já andou tendo problemas na justiça. Dizem que ele sabe bem o que é "molhar a mão", "engraxar", "leitinho das crianças", "limpa queixo", "mala preta", "baba", "bola" e quetais. E dizem que sabe dos dois lados do balcão.